Monthly Archives: August 2013

The Long List of What we Know because of Manning

Standard

Manning-Assange-Snowden

Written by Greg Mitchell at The Nation:

“”The debate in the media, and in political circles over Edward Snowden—Right or Wrong—often doubles back on references to Pfc. Manning, who was sentenced to thirty-five years in prison on Wednesday. Too often (that is, most of the time), the value and import of the Manning/WikiLeaks disclosures are ignored or dismissed, just as Snowden’s NSA scoops are often derided as “nothing new.”

So for those who either suffer from memory loss or ignorance on this particular score, here is a partial accounting of some of the important revelations in the Manning leak, drawn from my book—with Kevin Gosztola—on the Manning case, Truth and Consequences (the e-book just now updated to include the trial, the verdict, this week’s sentencing and reactions).

The revelations below were compiled for the book in March 2011—many others followed, including the important Gitmo files (see my piece about them) in April 2011.  Here is a New York Times take on just part of those Gitmo files: “What began as a jury-rigged experiment after the 2001 terrorist attacks now seems like an enduring American institution, and the leaked files show why, by laying bare the patchwork and contradictory evidence that in many cases would never have stood up in criminal court or a military tribunal.”  So even this accounting below is far from complete.

And let’s not forget what started it all: the “Collateral Murder” video.

First, just a very partial list from “Cablegate” (keep in mind, this does not include many other bombshells that caused a stir in smaller nations abroad):

• Yemeni president lied to his own people, claiming his military carried out air strikes on militants actually done by the US. All part of giving US full rein in country against terrorists.

• Details on Vatican hiding big sex abuse cases in Ireland.

• US tried to get Spain to curb its probes of Gitmo torture and rendition.

• Egyptian torturers trained by FBI—although allegedly to teach the human rights issues.

• State Dept. memo: US-backed 2009 coup in Honduras was “illegal and unconstitutional.”

• Cables on Tunisia appear to help spark revolt in that country. The country’s ruling elite described as “The Family,” with Mafia-like skimming throughout the economy. The country’s first lady may have made massive profits off a private school.

• US knew all about massive corruption in Tunisia back in 2006 but went on supporting the government anyway, making it the pillar of its North Africa policy.

• Cables showed the UK promised in 2009 to protect US interests in the official Chilcot inquiry on the start of the Iraq war.

* Oil giant Shell claims to have “inserted staff” and fully infiltrated Nigeria’s government.

• US pressured the European Union to accept GM—genetic modification, that is.

• Washington was misled by our own diplomats on Russia-Georgia showdown.

• Extremely important historical document finally released in full: Ambassador April Glaspie’s cable from Iraq in 1990 on meeting with Saddam Hussein before Kuwait invasion.

• The UK sidestepped a ban on housing cluster bombs. Officials concealed from Parliament how the US is allowed to bring weapons on to British soil in defiance of treaty.

• The New York Times: “From hundreds of diplomatic cables, Afghanistan emerges as a looking-glass land where bribery, extortion and embezzlement are the norm and the honest man is a distinct outlier.”

• Afghan vice president left country with $52 million “in cash.”

• Shocking levels of US spying at the United Nations (beyond what was commonly assumed) and intense use of diplomats abroad in intelligence-gathering roles.

• Potential environmental disaster kept secret by the US when a large consignment of highly enriched uranium in Libya came close to cracking open and leaking radioactive material into the atmosphere.

• US used threats, spying, and more to try to get its way at last year’s crucial climate conference in Copenhagen.

* American and British diplomats fear Pakistan’s nuclear weapons program — with poor security — could lead to fissile material falling into the hands of terrorists or a devastating nuclear exchange with India.

• Hundreds of cables detail US use of diplomats as “sales” agents, more than previously thought, centering on jet rivalry of Boeing vs. Airbus. Hints of corruption and bribes.

• Millions in US military aid for fighting Pakistani insurgents went to other gov’t uses (or stolen) instead.

• Israel wanted to bring Gaza to the ”brink of collapse.”

• The US secret services used Turkey as a base to transport terrorism suspects as part of its extraordinary rendition program.

• As protests spread in Egypt, cables revealed that strong man Suleiman was at center of government’s torture programs, causing severe backlash for Mubarak after he named Suleiman vice president during the revolt. Other cables revealed or confirmed widespread Mubarak regime corruption, police abuses and torture, and claims of massive Mubarak famiiy fortune, significantly influencing media coverage and US response.

Now, an excerpt from our book on just small aspect of the Iraq war cables. As I noted, this doesn’t even include the release of the “Collateral Murder” video earlier.

Al Jazeera suggested that the real bombshell was the US allowing Iraqis to torture detainees. Documents revealed that US soldiers sent 1,300 reports to headquarters with graphic accounts, including a few about detainees beaten to death. Some US generals wanted our troops to intervene, but Pentagon chiefs disagreed, saying these assaults should only be reported, not stopped. At a time the US was declaring that no torture was going on, there were forty-one reports of such abuse still happening “and yet the US chose to turn its back.”

The New York Times report on the torture angle included this: “The six years of reports include references to the deaths of at least six prisoners in Iraqi custody, most of them in recent years. Beatings, burnings and lashings surfaced in hundreds of reports, giving the impression that such treatment was not an exception. In one case, Americans suspected Iraqi Army officers of cutting off a detainee’s fingers and burning him with acid. Two other cases produced accounts of the executions of bound detainees.

And while some abuse cases were investigated by the Americans, most noted in the archive seemed to have been ignored, with the equivalent of an institutional shrug: soldiers told their officers and asked the Iraqis to investigate…. That policy was made official in a report dated May 16, 2005, saying that ‘if US forces were not involved in the detainee abuse, no further investigation will be conducted until directed by HHQ.’ In many cases, the order appeared to allow American soldiers to turn a blind eye to abuse of Iraqis on Iraqis.

Amnesty International quickly called on the US to investigate how much our commanders knew about Iraqi torture.

A top story at The Guardian, meanwhile, opened: “Leaked Pentagon files obtained by The Guardian contain details of more than 100,000 people killed in Iraq following the US-led invasion, including more than 15,000 deaths that were previously unrecorded.

“British ministers have repeatedly refused to concede the existence of any official statistics on Iraqi deaths. US General Tommy Franks claimed ‘We don’t do body counts.’ The mass of leaked documents provides the first detailed tally by the US military of Iraqi fatalities. Troops on the ground filed secret field reports over six years of the occupation, purporting to tote up every casualty, military and civilian.

“Iraq Body Count, a London-based group that monitors civilian casualties, told the Guardian: ‘These logs contain a huge amount of entirely new information regarding casualties. Our analysis so far indicates that they will add 15,000 or more previously unrecorded deaths to the current IBC total. This data should never have been withheld from the public.’ ” The logs recorded a total of 109,032 violent deaths between 2004 and 2009.

Citing a new document, the Times reported: “According to one particularly painful entry from 2006, an Iraqi wearing a tracksuit was killed by an American sniper who later discovered that the victim was the platoon’s interpreter…. The documents…reveal many previously unreported instances in which American soldiers killed civilians—at checkpoints, from helicopters, in operations. Such killings are a central reason Iraqis turned against the American presence in their country, a situation that is now being repeated in Afghanistan.”

And now, re the Afghanistan war logs, another book excerpt:

The Times highlighted it as “The War Logs” with the subhed, “A six-year archive of classified military documents offers an unvarnished and grim picture of the Afghan war.” Explicitly, or by extension, the release also raised questions about the media coverage of the war to date.

The Guardian carried a tough editorial on its website, calling the picture “disturbing” and raising doubts about ever winning this war, adding: “These war logs—written in the heat of engagement—show a conflict that is brutally messy, confused and immediate. It is in some contrast with the tidied-up and sanitized ‘public’ war, as glimpsed through official communiques as well as the necessarily limited snapshots of embedded reporting.”

Elsewhere, the paper traced the CIA and paramilitary roles in the deaths of civilians in Afghanistan, many cases hidden until now. In one incident, a US patrol machine-gunned a bus, wounding or killing fifteen. David Leigh wrote, “They range from the shootings of individual innocents to the often massive loss of life from air strikes, which eventually led President Hamid Karzai to protest publicly that the US was treating Afghan lives as ‘cheap’.”

The paper said the logs also detailed “how the Taliban have caused growing carnage with a massive escalation of their roadside bombing campaign, which has killed more than 2,000 civilians to date.” Previously unknown friendly fire incidents also surfaced.

The White House, which knew what was coming, quickly slammed the release of classified reports— most labeled “secret”—and pointed out the documents ended in 2009, just before the president set a new policy in the war; and claimed that the whole episode was suspect because WikiLeaks was against the war. Still, it was hard to dismiss official internal memos such as: “The general view of Afghans is that current gov’t is worse than the Taliban.

Among the revelations that gained prime real estate from The New York Times: “The documents…suggest that Pakistan, an ostensible ally of the United States, allows representatives of its spy service to meet directly with the Taliban in secret strategy sessions to organize networks of militant groups that fight against American soldiers in Afghanistan, and even hatch plots to assassinate Afghan leaders.” The Guardian, however, found no “smoking gun” on this matter. The Times also reported that the US had given Afghans credit for missions carried out by our own Special Ops teams.””

Greg Mitchell

Greg Mitchell writes a daily blog for The Nation focusing on media, politics and culture. He is the former editor of Editor & Publisher and author of thirteen books. His latest book, on the 2012 Obama-Romney race, isTricks, Lies, and Videotape. His other books include Atomic Cover-UpThe Campaign of the Century (winner of the Goldsmith Book Prize), two books related to WikiLeaks and a pair of books with Robert Jay Lifton on Hiroshima and the death penalty in America. His Twitter feed is @GregMitch and he can be reached at:  epic1934@aol.com. His personal blog is Pressing Issues.

Sobre a violência nas manifestações de rua, a natureza das ações do Black Bloc

Standard

By Pablo Ortellado:

“”O democrático Estadão não aceita réplica para artigos de opinião, então publico por aqui minhas considerações sobre o artigo do Demétrio Magnoli que saiu na edição de ontem do jornal.  Sobre a violência nas manifestações de rua:

No última quinta-feira, Demétrio Magnoli publicou no Estado de São Paulo um artigo intitulado “Nas franjas do Black Bloc” no qual critica umadeclaração que dei a este mesmo jornal duas semanas antes tentando explicar a natureza das ações do Black Bloc. Minha declaração buscava resgatar a origem do Black Bloc no movimento social alemão dos anos 1980 e sua ressignificação no movimento contra a globalização econômica no final dos anos 1990.

Na declaração que dei ao jornalista Bruno Paes Manso ressaltava que o Black Bloc nasceu no movimento social alemão como um grupo que se vestia de preto e se dedicava a proteger as manifestações de rua da infiltração de agitadores e do ataque repressivo da polícia. Na sua segunda aparição, nos anos 1990, o Black Bloc ressurge como uma tática predominantemente simbólica que deve ser entendida mais na interface da política com a arte do que da política com o crime. Isso, porque a destruição de propriedade a que se dedica não busca causar dano econômico significativo, mas apenas demonstrar simbolicamente a insatisfação com o sistema econômico ou o sistema político.

Há, obviamente, uma ilegalidade no procedimento de destruir uma agência bancária ou um edifício governamental, mas é justamente a conjugação de uma arriscada desobediência civil e a ineficácia em causar prejuízo econômico à empresa ou ao governo que confere a essa ação seu sentido expressivo ou estético, num entendimento ampliado. A destruição de propriedade sem outro propósito que o de demonstrar descontentamento simboliza e apenas simboliza a ojeriza à exploração econômica ou à dominação do estado.

Essa análise descritiva do que eu acredito ser a natureza e o objetivo desse tipo de ação foi considerada por Magnoli um elogio irresponsável que levaria à legitimação da violência como estratégia de luta. Para ele, explicar para o público de um jornal qual é a história e qual é o propósito da ação de um movimento social é fazer perigosa apologia.

Magnoli traça um paralelo entre o que eu disse e o que disseram alguns teóricos do movimento social italiano que foram injustamente acusados de serem os responsáveis pelas ações armadas que aconteceram naquele país nos anos 1970. Na sua análise, ele primeiro conecta os escritos teóricos da tradição autonomista à luta armada de grupos de outras correntes políticas com os quais esses textos não tem relação; em seguida, de maneira muito anacrônica, sugere que da mesma forma que alguns movimentos de ação direta daquele período passaram à luta armada, também o Black Bloc poderia seguir esse caminho, a despeito do abismo que separam esses dois momentos históricos.

Como tinha declarado que não considerava violenta a estratégia do Black Bloc porque sua ação era orientada a coisas (agências bancárias ou prédios governamentais) e não a pessoas, Magnoli sugere que também na Itália os atentados armados contra pessoas poderiam ser considerados como voltados a coisas se essas ações fossem vistas como ataques a “símbolos do sistema”.

É preciso dizer que essa despropositada inferência que objetifica a vida humana não foi feita pelo Black Bloc que, ao contrário das forças policiais e de comentaristas que legitimam a ação repressiva, tem demonstrado saber a diferença de valor entre uma vidraça e a integridade física de um ser humano.””

Pablo Ortellado é doutor em filosofia e professor do curso de Gestão de Políticas Públicas e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.

Pablo Ortellado é doutor em filosofia e professor do curso de Gestão de Políticas Públicas e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.

Pablo Ortellado aproveita para também resgatar o texto de Antonio Candido publicado na Folha no dia 22 de dezembro de 1991 com o título “Sobre a Violência”:

“”Em artigo publicado nesta página, o eminente professor Miguel Reale comentou de maneira bastante parcial a entrevista que dei, faz algum tempo, ao Jornal da USP. Destacando um trecho e separando-o do resto, afirma que eu levanto a bandeira da violência e da luta armada, o que é exagerado e incorreto. Levantar a bandeira significa, se não me engano, proclamar e preconizar com entusiasmo uma idéia ou um tipo de conduta. Não é o caso da minha entrevista, cuja tônica é outra.

O que pretendi dizer foi que, para mim, o socialismo não acabou e continua válido como solução possível para os graves problemas gerados pela desigualdade econômica e social, e portanto para promover a humanização do homem. Já que está na moda o louvor do capitalismo como via única, lembrei que se este se tornou humanamente mais tolerável, não foi por mérito próprio, mas por ter sido obrigado a fazer concessões diante da luta que o socialismo vem promovendo há um século e tanto. Disse mais, que concebo a posição dos socialistas segundo uma visão que chamei bifocal: ao longe está o ideal de uma sociedade igualitária; perto, as tarefas possíveis na sociedade em que vivemos. A propósito, assinalei que, a meu ver, a social-democracia funciona bem nos países adiantados; mas, nos de Terceiro Mundo, como o nosso, não vejo a sua viabilidade, preferido falar em socialismo democrático.

Qual a diferença? O social-democrata (que proscreve a revolução) rejeita a violência mais acentuada, enquanto, no meu modo de ver, o socialista democrático pode aceita-la se for necessária para atingir as metas ideais. Não porque goste dela, mas porque ela é um tipo de comportamento que pode ocorrer eventualmente na vida política. Disse, por fim, que, no entanto, não me parece haver no Brasil condições para a via revolucionária, e que a opção é atuar democraticamente a fim de conseguir o que for possível. Portanto, o problema da violência estava proposto em nível doutrinário e contexto amplo, significando coisa diversa da simplificação efetuada pelo professor Miguel Reale. Numa palavra, tratava-se não de preconizar, mas de reconhecer a sua possibilidade.

Mas, como talvez eu tenha ordenado as ideias de maneira menos clara, aproveito a oportunidade para citar outra entrevista, à revista “Teoria & Debate”, no começo de 1988, cujo texto pude rever. O entrevistador perguntou: “Você é a favor da luta armada?”. Respondi: “Prefiro propor a questão do seguinte modo: a violência não é essencial, ela é uma possibilidade constante e uma necessidade eventual de qualquer ação política, e a da esquerda não é exceção. O problema é saber quando e como ela deve ser usada, e aí é que se avalia a capacidade do político. Sou contra a violência romântica e individualista, contra a violência pela violência. Frequentemente a luta armada pertence a uma dessas categorias. Mas é claro que, quando ela se baseia numa concepção revolucionária correta e se traduz pela organização adequada, pode ser fator decisivo e necessário”.

Quero dizer com isso que mantenho o meu ponto de vista, mas no contexto que o expus, inclusive lembrando a distinção entre o plano da filosofia política e da prática política. E vejo agora que é inconveniente pôr de lado os conceitos de violência revolucionária e luta armada, porque a história recente do Brasil deu a esta uma conotação muito especial, com a qual nunca estive de acordo, embora admirando a capacidade de sacrifício de muitos que nela perderam a vida, a liberdade e a integridade física.

Isso posto, não posso concordar com o professor Miguel Reale quando diz que Sorel aplaudiria o meu modo de ver. Para mim, a violência é um instrumento que pode ou não ser usado; para Sorel, é o caminho inevitável. Curiosamente, ele inspirou os fascistas à direita e os anarco-sindicalistas à esquerda. Como nunca fui nem uma coisa nem outra, nunca adotei o seu ponto de vista, que pode desaguar numa espécie de culto à violência. Digo mais: nunca preconizei nem aderi a nenhuma das suas formas em quase meio século de participação no movimento socialista, e verifico que, no Basil, ela tem sido usada em política, na maioria absoluta das vezes, pela direita e o centro, como foi no caso do golpe militar de 1964, quando impecáveis liberais, amantes da pureza democrática, cultores da lei o estimularam e a ele aderiram com entusiasmo. Dele participou o professor Miguel Reale, como membro do governo do Estado de São Paulo, e lembro de tê-lo ouvido pelo rádio, na noite para mim sinistra de 31 de março (ou seria 1º. de abril?), comunicar a eclosão e fazer a apologia do movimento armado com uma flama que, esta sim, parecia caracterizar quem levanta bandeiras.

Ora, naquele momento, estaria ele convencido de que praticava uma ação democrática, legal e sem violência? O que apoiava era uma guerra civil em curso, com o general Kruel avançando pela via Dutra e o general Mourão descendo de Minas, prevendo-se um choque sangrento com o famoso “dispositivo militar” de que falavam oficiais legalistas. Isso não aconteceu porque o presidente Goulart, homem pacífico e brando, preferiu a retirada. Ele era o chefe da nação, eleito pelo voto popular, e os partidários do golpe estavam subvertendo a legalidade por meio da força.

Note-se que digo isso sem a menor intenção de censurar o professor Miguel Reale, que, naquele momento, agiu de acordo com as suas convicções. O meu intuito é mostrar com exemplos concretos que a violência é um ingrediente eventual da ação política de direita, centro ou esquerda. Só que quando a usam, direita e centro costumam achar que é legítima e benéfica, sendo intolerável e brutal quando a esquerda o faz. Para a direita, ela pode mesmo ser “sagrada”, como escreveu anos atrás nesta mesma página um intelectual bastante conservador, indignado porque o governador Franco Montoro não mandara passar fogo nos manifestantes que derrubaram as grades do Palácio dos Bandeirantes, nos primeiros dias do seu mandato.

Ainda quanto à diferença de avaliação: o professor Miguel Reale se espanta porque digo na entrevista que, em caso de implantação eventual do socialismo, deveria reinar o convívio democrático, com pluripartidarismo e imprensa livre, havendo restrições apenas para os contra-revolucionários, ou seja, os que atuem ativamente a fim de desmanchar o que foi conquistado. O espanto me parece injustificado da parte de um participante do movimento armado de 1964, depois do qual não faltaram juristas para dizer que a justiça deveria ser mais desenvolta com os adversários, pois a chamada revolução criava a sua própria legalidade. E quanto à pluralidade dos partidos, lembro que em 1965 foram todos fechados, inclusive o Socialista, a que eu pertencia. Parece, portanto, que atropelar as leis para facilitar a repressão e fechar agremiações não é violência se a iniciativa da direita. Mas, como diz Riobaldo, “pão e pães é questão de opiniães”.””

Antonio Candido de Mello e Souza é sociólogo, literato e professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. É professor-emérito da USP e da UNESP, e doutor honoris causa da Unicamp.

Antonio Candido de Mello e Souza é sociólogo, literato e professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. É professor-emérito da USP e da UNESP, e doutor honoris causa da Unicamp.

Casa das Estrelas: O Universo contado pelas Crianças

Standard

Casa das Estrelas: O Universo contado pelas Crianças, organizado por Javier Naranjo

Casa das Estrelas: O Universo contado pelas Crianças, organizado por Javier Naranjo, é um dicionário feito por crianças. Alguns exemplos das definições escritas pelas crianças:

Adulto: Pessoa que em toda coisa que fala, fala primeiro dela mesma (Andrés Felipe Bedoya, 8 anos)

Ancião: É um homem que fica sentado o dia todo (Maryluz Arbeláez, 9 anos)

Água: Transparência que se pode tomar (Tatiana Ramírez, 7 anos)

Branco: O branco é uma cor que não pinta (Jonathan Ramírez, 11 anos)

Camponês: um camponês não tem casa, nem dinheiro. Somente seus filhos (Luis Alberto Ortiz, 8 anos)

Céu: De onde sai o dia (Duván Arnulfo Arango, 8 anos)

Colômbia: É uma partida de futebol (Diego Giraldo, 8 anos)

Dinheiro: Coisa de interesse para os outros com a qual se faz amigos e, sem ela, se faz inimigos (Ana María Noreña, 12 anos)

Guerra: Gente que se mata por um pedaço de terra ou de paz (Juan Carlos Mejía, 11 anos)

Inveja: Atirar pedras nos amigos (Alejandro Tobón, 7 anos)

Igreja: Onde a pessoa vai perdoar Deus (Natalia Bueno, 7 anos)

Lua: É o que nos dá a noite (Leidy Johanna García, 8 anos)

Mãe: Mãe entende e depois vai dormir (Juan Alzate, 6 anos)

Paz: Quando a pessoa se perdoa (Juan Camilo Hurtado, 8 anos)

Sexo: É uma pessoa que se beija em cima da outra (Luisa Pates, 8 anos)

SolidãoTristeza que dá na pessoa às vezes (Iván Darío López, 10 anos)

TempoCoisa que passa para lembrar (Jorge Armando, 8 anos)

UniversoCasa das estrelas (Carlos Gómez, 12 anos)

ViolênciaParte ruim da paz (Sara Martínez, 7 anos)

 

Para baixar o livro grátis e nessa foto (abaixo), o poeta colombiano Javier Naranjo (1956-) com seus escritores colaboradores:

Javier Naranjo e seus Pequenos Grandes Escritores

Javier Naranjo e seus Pequenos Grandes Escritores

Queen to Play (Joueuse), the Movie

Standard

Queen to Play

Hélène (Sandrine Bonnaire) is a maid and, after observing a couple playing chess in the hotel where she works, she gets interested in learning how to play it. She buys one set for her husband’s birthday but he does not find it attractive. She starts playing by herself and gets so obsessed by the game that she starts playing everywhere. She works once a week for a reclusive man – Doctor Kroeger (Kevin Kline), and decides to persuade him to master her. She starts thinking differently because of the game, affecting her work, her relationship with her daughter and her husband. The game changes her mind and will change the life of everybody around her.  A movie written and directed by Caroline Bottaro.

Hélène  (Sandrine Bonnaire) é uma empregada doméstica e, depois de observar um casal jogando xadrez no hotel onde ela trabalha, se interessa em aprender a jogá-lo. Ela compra um set para o aniversário do marido, mas ele não consegue se interessar pelo jogo. Então, ela começa a jogar sozinha e fica tão obcecada pelo jogo que começa a jogar em todos os lugares. Ela trabalha uma vez por semana para um homem solitário – Doctor Kroeger (Kevin Kline), e decide persuadi-lo a jogar com ela. Hélène começa a pensar de forma diferente por causa do jogo, afetando seu trabalho, seu relacionamento com a filha e o marido. O jogo muda sua mente e vai mudar a vida de todos ao seu redor. Um filme escrito e dirigido por Caroline Bottaro.

Queen to Play

Queen to Play

Museum of Science and Industry, Chicago: Crítica

Standard
Chicago Museum of Science presents a Wrong Color Definition

Chicago Museum of Science and Industry – Erro ao definir a Cor de um objeto

De acordo com o Museu de Ciência e Indústria de Chicago, “a cor de um objeto é determinada pela absorção específica e reflexão dos comprimentos de onda”, mas isso não é verdade. Esta definição errônea é apresentada no “Color Booth” que faz parte da Exposição “Science Storms”.  Aqui estão algumas explicações sobre o porquê da cor não ser exclusivamente determinada pelos comprimentos de onda específicos que um objeto absorve e reflete:

“Muitas pessoas acreditam que a cor é uma propriedade essencial dos objetos e que depende inteiramente dos comprimentos de onda específicos da luz refletida. Mas essa crença é equivocada. A cor é uma sensação criada no cérebro. Se as cores que percebemos dependessem apenas do comprimento de onda refletido, a cor de um objeto mudaria drasticamente de acordo com variações de iluminação e sombra que ocorressem constantemente durante todo o tempo. Muito pelo contrário, a cor de um objeto nos parece relativamente estável devido a nossa atividade neural – apesar das mudanças constantes no ambiente ” por John Werner, Ph.D.: UC Davis, Center for Neuroscience.

“A cor de uma luz isolada está intimamente relacionada com as propriedades físicas da luz, mas este fato é bastante enganoso para a compreender a cor em condições normais. A cor não está na luz. O que vemos depende diretamente de um padrão de respostas neurais e, o comprimento de onda ou da energia de luz que entra no olho é apenas um fator dentre muitos outros. A relação direta entre um estímulo físico e como nós o percebemos se quebra quando a luz é parte de uma cena complexa. Na visão em condições normais, a resposta neural a uma luz particular e, portanto, a nossa percepção dela, é influenciada pelo contexto das outras luzes presentes na mesma cena” por Steve Shevell, Ph.D.: University of Chicago, Institute of Mind and Biology.

“A cor é muitas vezes pensada como uma qualidade da luz, mas isso não é verdade. Por exemplo, a expressão “o oceano é azul” utiliza uma experiência de percepção da cor azul para descrever a luz física. A cor em si não está na luz. A cor é um fenômeno perceptivo determinado por processos neuronais. A região do espectro electromagnético que é visível para os seres humanos gira em torno de 400 nm a 700 nm, comprimento de onda, mas este não está dotado com uma cor. Um determinado comprimento de onda, por exemplo próximo de 470 nm ou 580 nm, são percebidos como azul ou amarelo, respectivamente, porque estes comprimentos de onda estimulam os fotorreceptores no olho humano que são responsáveis ​​pela transdução da luz física em respostas neurais, ou seja, impulsos elétricos. Essas respostas neurais passam por uma série de etapas de processamento no cérebro. A experiência do azul ou do amarelo, bem como todas as outras cores, é uma construção mental. A experiência de uma cor é como a compreensão da linguagem. Não há sentido no som físico de uma frase em japonês (o cérebro deve interpretá-lo) se a pessoa não aprendeu a língua assim como não há nenhum azul ou amarelo nos comprimentos de onda. A cor é uma percepção que os seres humanos são capazes de experimentar por meio de processos neurais sensoriais ” por Claudia Feitosa-Santana, Ph.D.: Roosevelt University, Departamento de Psicologia.

Esse conhecimento é muito antigo:

Isaac Newton (1642, 1727) brilhantemente escreveu em seu livro “Opticks“, publicado pela primeira vez em 1704: “E se em algum momento eu falo de luz e raios como coloridos ou dotados de cores, gostaria de ser entendido como não falando filosoficamente e corretamente, mas grosseiramente – tais concepções seriam apenas atribuídas por pessoas leigas ao observar esses experimentos. Para falar corretamente, os raios não são coloridos. Neles não há nada além de um certo poder e disposição para gerar a sensação desta ou daquela cor. “

Mais de 200 anos depois, W. D. Wright foi inspirado pelas palavras de Newton e publicou um livro chamado “Os raios não são coloridos”, em 1967, afirmando que “a nossa percepção de cores está dentro de nós e as cores não podem existir a menos que haja um observador para percebê-las. A cor não existe nem mesmo na cadeia de eventos entre os receptores da retina e o córtex visual, mas apenas quando a informação é finalmente interpretada na consciência do observador. “- Por W. D. Wright, do Imperial College of Science and Technology, London

First published by Adam Hilger LTD, London - 1967

Primeira edição da Adam Hilger LTD, Londres – 1967

Portanto, se você for ao “Museum of Science and Industry” ansioso para que seus filhos aprendam ciência, é melhor reduzir bastante suas expectativas. Pode ser divertido, mas não educativo. Na maioria das vezes, você não vai encontrar um empregado ou um voluntário para responder a uma pergunta científica e, se você encontrá-los, isso não significa que eles vão lhe dar a resposta correta.

Seus uniformes nos enganam. Eles têm dois tipos: os funcionários que 99% não são cientistas mas usam um uniforme que diz “Scientist”; os voluntários usam um uniforme que diz “Volunteer” e, a maior parte deles são aposentados de diversas áreas não relacionadas à ciência, mas a chance de encontrar um estudante de ciências entre eles, mesmo que pequena, ainda é maior que entre os funcionários.

Mais alarmante e muito mais assustador é o fato de que eles oferecem uma “Oficina de Professores” e um “Centro para o Avanço das Ciências na Educação”. De acordo com suas próprias palavras, a “Oficina de Professores é projetada para aumentar o seu conhecimento em ciência, melhorar o ensino, a habilidade de ensinar e, demonstrar como usar os programas e exposições do museu para melhorar o currículo de ciências.” Esse centro oferece uma enorme lista de atividades como excursões, currículo de ciências para crianças, laboratório de aprendizagem, etc. Seria fantástico se o museu estivesse levando ciências a sério, mas não é definitivamente o caso.

OBS: Antes de escrever esse comentário, eu entrei em contato com o museu solicitando que o painel deveria ser corrigido. A resposta foi não e a explicação foi, mais uma vez, uma prova de que o “Museum of Science and Industry”, também chamado MSI Chicago, não tem um número mínimo suficiente de cientistas e/ou nenhum respeito pela ciência. Lamentável.

Color is in the Brain

Today is Father’s Day in Brazil

Standard
Brad Pitt and his adopted children

Brad Pitt and his 3 adopted children

 

In Brazil, more than 200 thousand children cannot celebrate Father’s Day or Mother’s Day. They are invisible, living in orphanages, and have between 4 and 19 years old with almost zero chance to get a foster parent. Those that are homeless living on streets are quite disturbing. What Brazilians do? They Close the car window, pretending that they are not there. Others prefer to call them muggers, outcasts, criminals, and advocate for lowering the age of criminal responsibility. Some go even further and exterminate as done in the Candelaria Massacre.

Congratulations to the adoptive parents, who were able to transcend the biological need for love – the true unconditional love.

No Brasil, muito mais de 200 mil crianças não podem comemorar o Dia dos Pais nem o Dia das Mães. Elas são invisíveis, vivem em orfanatos, têm entre 4 e 19 anos de idade e, chance quase zero de lá saírem. Já as que moram na rua, essas incomodam bastante. O que o brasileiro faz? Fecha o vidro do carro e ignora a existência das mesmas. Outros os chamam de trombadinhas, marginais, delinquentes, dogrados e, defendem a redução da maioridade penal. Alguns vão ainda mais longe e os exterminam como feito na Chacina da Candelária.

Parabéns aos pais adotivos, aqueles que foram capazes de transcender a necessidade do amor biológico – o verdadeiro amor incondicional.

Elysium (2013) Review

Standard
Elysium: Wagner Moura and Matt Damon

Elysium: Wagner Moura and Matt Damon

Written, co-produced and directed by Neill Blomkamp, Elysium means a place or condition of ideal happiness. The movie happens in 2154 but it is an obvious metaphor for life on Earth nowadays. It is so obvious that when the director was asked about his science fiction, he answered “No, no, no. This isn’t science fiction. This is today. This is now.” – of course. All actors are perfect for their characters, including Matt Damon, Judie Foster, Diego Luna, Alice Braga, Sharlto Copley, and – specially – the Brazilian Wagner Moura is brilliant as Spider.

Wealthy people with freedom: access to health and everything else in the orbital community known as Elysium, miles away from our planet. All the others, the people on Earth, are not allowed to enter Elysium as well as no access to anything else: freedom, health, etc. Moreover, Elysium is seen from people on Earth and it looks like a star. If an Elysium citizen gets sick, he/she has immediately access to treatment while the others, if they get sick, will die knowing that if there were Elysium’s citizens they would be cured in a matter of seconds. That is exactly how almost all nations are organized nowadays. The director pays special attention to the USA, focusing on immigration and deportation aspects, the health care system, the inequality and its social aspects, the inexistent freedom of ordinary people, the technology and the lack of jobs, the government illegal actions, corrupted politicians, etc.

Escrito, co-produzido e dirigido por Neill Blomkamp, Elysium significa um lugar ou condição de felicidade ideal. O filme acontece em 2154, mas é uma metáfora óbvia para a vida de hoje na Terra. É tão óbvio que, ao ser questionado sobre sua ficção científica, o diretor respondeu: “Não, não, não. Isto não é ficção científica. Isto é hoje. Isto é agora.” – É claro. Todos os atores são perfeitos para seus personagens que inclui Matt Damon, Judie Foster, Diego Luna, Alice Braga, Sharlto Copley, e – especialmente – o brasileiro Wagner Moura que está brilhante como Spider.

As pessoas ricas e com liberdade: tem acesso à saúde e tudo o mais na comunidade orbital conhecida como Elysium, a quilômetros de distância do nosso planeta. Todos os outros, as pessoas na Terra, não são autorizados a entrar Elysium, bem como não têm acesso a qualquer outra coisa: liberdade, saúde, etc.  Além disso, Elysium pode ser visto pelas pessoas na Terra e se parece com uma estrela, um lugar perfeito. Se um cidadão de Elysium fica doente, ele/ela tem acesso imediato à tratamento, enquanto os outros, se ficarem doentes, vão morrer sabendo que se fossem cidadãos de Elysium seriam curados em questão de segundos. Esse cenário é muito próximo da atual realidade de quase todos os países no planeta. O diretor dá atenção especial para os EUA, enfocando aspectos de imigração e deportação, o sistema de saúde, a desigualdade e os seus aspectos sociais, a liberdade inexistente de pessoas comuns, a tecnologia e a falta de empregos, as ações ilegais do governo, os políticos corruptos, etc.

From the Right Side: Wagner Moura, Diego Luna and Alice Braga with other actors and Matt Damon -  Elysium.

From Left: Wagner Moura, Diego Luna and Alice Braga with other actors and Matt Damon – Elysium.