Category Archives: Ciencia para Leigos

Neuroeconomia: A Tomada de Decisão

Standard

Advertisements

Monsieur Lazhar (2012)

Standard
Monsieur Lazhar (2012)

Monsieur Lazhar touches the children world, the death world, the immigrant world, the silent world, the unfair world. In other words, it is about oppression and omission. All a child need is love and safeness to express themselves…

Review by Stephen Holden:

“”In the indelible opening scene of Philippe Falardeau’s “Monsieur Lazhar,” Simon (Émilien Néron), a sixth grader at a Montreal middle school, catches a glimpse of the body of Martine, a popular teacher who has hanged herself from a pipe inside a classroom. He turns and runs.

We don’t see him report the fatality. The camera remains stationary, in a kind of daze, until several teachers dash into the building and frantically herd children returning from recess back outside. Simon’s friend Alice (Sophie Nélisse) detaches herself just long enough to steal a peek through a crack in the door before being shooed away. We never see the victim’s face.

The subtlety and discretion with which the revelation is handled says much about  “Monsieur Lazhar,” Mr. Falardeau’s fourth feature film, adapted from a one-person play by Evelyne de la Chenelière. The film, which was nominated for an Oscar for best foreign language film, picked up six Genies (Canadian Oscars), including best picture, director, adapted screenplay and actor. The title character is powerfully embodied by Fellag, an Algerian theater director and actor known for his one-man shows, who has lived in Paris since 1995.

“Monsieur Lazhar” sustains an exquisite balance between grown-up and child’s-eye views of education, teacher-student relations and peer-group interactions. The students come quirkily alive in superb naturalistic performances devoid of cuteness and stereotyping. Like no other film about middle school life that I can recall “Monsieur Lazhar” conveys the intensity and the fragility of these classroom bonds and the mutual trust they require.

Although it looks askance at the extreme measures parents and teachers take to protect children, often more knowledgeable and resilient than they’re given credit for, it acknowledges that some do need protection. It especially calls into question the strict modern rules that forbid any physical contact between teachers and students who in moments of crisis feel a desperate need for the comfort and reassurance that a hug can provide.

Amid the tempest stands the title character, Bachir Lazhar, a 55-year-old Algerian immigrant in need of a job who read about the suicide and presents himself to the stiff-backed principal (Danielle Proulx) as a substitute. Bachir, who says he taught grade school in Algiers for 19 years before settling in Quebec, seems to be a godsend. Polite, formal and soft-spoken, he takes over a class whose students are traumatized to varying degrees and easily wins their confidence and affection.

He is sternly instructed not to bring up the suicide and told that a psychologist will deal with the children’s reactions. During those sessions he is not allowed in the classroom. Bachir proves himself a caring, dedicated teacher, although there are some glitches. A dictation from Balzac is too difficult for his students. There are differences between Québécois and Algerian French. Most important, he doesn’t know the rules about physical contact and lightly cuffs an unruly student.

He teaches the fables of La Fontaine, and in an inspired stroke invites the students to invent their own. In the film’s most moving scene he regales them with one he invented about a chrysalis and a tree that addresses both Martine’s suicide and his own recent personal calamity, which he is barely able to talk about. Bachir isn’t exactly what he claims. In Algeria he was a civil servant who later owned a restaurant but has never taught. Nor is he, as he has stated, a permanent resident of Quebec. He is applying for political asylum following the horrific murder of his wife, a teacher, and their two children in a fire deliberately set the night before they were to have left Algeria to join him in Canada. The Lazhar family had been subjected to repeated death threats since the publication of his wife’s book criticizing the government’s reconciliation policy after the country’s civil war.

Without pushing the parallels, the story obliquely connects Bachir’s story with his empathy for the children, especially his intuition that Simon’s distress is more complex and deeply rooted than it at first appears. When the truth is finally revealed in a flood of tears, the boy’s heart-rending confession reminds you of how easily children can torture themselves with guilt for imagined sins.

Bachir cannot follow the rules. When the class needs his emotional support, he delivers a healing, common-sense speech about the suicide to the students who take it in stride. You applaud him for his bravery and tact.

“Don’t try to find a meaning in Martine’s death; there isn’t one,” this flawed hero declares. “A classroom is a place of friendship, of work, of courtesy, a place of life.”

Written and directed by Philippe Falardeau, based on the stage play by Evelyne de la Chenelière; director of photography, Ronald Plante; edited by Stéphane Lafleur; music by Martin Léon; production design by Emmanuel Fréchette; costumes by Francesca Chamberland; produced by Luc Déry and Kim McCraw; released by Music Box Films. In French, with English subtitles. Running time: 1 hour 34 minutes.

WITH: Fellag (Bachir Lazhar), Sophie Nélisse (Alice), Émilien Néron (Simon), Danielle Proulx (Mrs. Vaillancourt), Brigitte Poupart (Claire), Louis Champagne (Janitor), Jules Philip (Gaston), Francine Ruel (Mrs. Dumas) and Sophie Sanscartier (Audrée).””

Perceptual Constancy and Audrey Heller’s Photography

Standard

Perceptual constancy is an important aspect of our interaction with the world. The size constancy is the easiest one to understand. For example, two telephone poles look the same size when the first is viewed from 100 meters and when the second is viewed from 1 meter, even though the visual angle is very different. A person who appears to be 6 feet tall when he is nearby also appears to be 6 feet tall when he is standing across the room. Now, think of a penny… and you will understand the shape constancy in which the penny looks round both when viewed head on and when viewed from an acute angle. The color constancy is a little more difficult to grasp… think of the color of your car, for example… if you don’t have one, think of the one you are always taking a ride… you always perceive the color of the car as uniform, even under different light sources (sunlight, artificial light, shade). These are few examples of perceptual constancy that are essential to make our lives more stable, letting us freer to worry about other types of non-constancies (Goldstein, 2011; Cohen, forthcoming).

Here are some photos by Audrey Heller that plays with the phenomenon of size constancy:

Eternal Sunshine of the Spotless Mind

Standard

Would you erase me from your life and memory?

The movie “Eternal Sunshine Of The Spotless Mind” underlies the scientific discussion about whether our mind is governed by localized or distributed activity in the brain. Is the neural orchestra of our mental functions localized or distributed throughout the brain? The movie starts with the localized theory that is represented by the Lacuna Inc., the company that offers the service of erasing all memories related to one’s person… A non-traditional and impulsive girl (Clementine, Kate Winslet) erases her boyfriend (Joel, Jim Carrey) from her mind with all the memories related to him. Then, Joel figures out what Clementine had just done, and hires Lacuna Inc. to do the same procedure with his memories of Clementine… but during his procedure, he changes his mind, trying to stop it but it was too late, and the company succeeds on erasing Clementine and all memories related to her. The movie then approaches the distributed theory of brain activity when Joel changes his regular routine in an unconsciousness act driven by the familiarity of the name Montauk, a special place for their erased relationship… and they meet each other for the first time (if we consider that they can’t recall the fact that they were in love before). This brilliant fiction written by Charlie Kaufman present us the both models of the relation between mind activity and brain activity that have been conciliated in the study of cognition with the help of Neuroimaging techniques, suggesting that the integrity of our mental functions is at the same time specified and distributed throughout the brain.

Note Clementine’s hair-color and her emotional state.

[A Lenda dos Muitos Brancos dos Inuits – Esquimós]

Standard

As pessoas em geral adoram aumentar os fatos num telefone sem fio – sem fim, e foi assim que começou a lenda de que os esquimós são capazes de perceber e/ou nomear muito mais brancos ou tipos de neve que a gente. Mesmo que a lenda já tenha sido destruída há décadas, algumas pessoas ainda acreditam!

A antropóloga Laura Martin passou um bom tempo na década de 1980 tentando desfazer a lenda sobre os esquimós (Inuits) e, após anos de luta, ela conseguiu publicar “Eskimos Words for Snow” (Martin, 1986). Este artigo deveria ter sido suficiente para a lenda sair de nossas vidas, mas não, e mais tarde Martin chegou a citar o número de termos do vocabulário esquimó para neve: “nove” em uma enciclopédia (Adams 1984), “cem” no editorial do New York Times (9 de fevereiro de 1984), e “200” em um programa sobre a previsão de tempo em um canal de TV em Cleveland (Pullum, 1989).

Todo mundo sabe que decoradores têm nomes diferentes para diferentes gradações de bege, e cabeleireiros têm nomes diferentes para diferentes gradações de loiro, marrom e preto – nada mais justo. Mas de acordo com o linguista Geoffrey K. Pullum – que trabalhou muito duro para destruir a lenda dos esquimós em The Great Eskimo Vocabulary Hoax, eles não são tão interessados em neve quanto reza a lenda. Para eles, a neve é algo sempre presente assim como a areia na praia. E até mesmo os loucos por praia tem apenas uma palavra para a areia.

Em 1911, o lingüista Franz Boas comparou os termos em inglês para água com os termos dos esquimós para a neve, afirmando que no vocabulário dos Inuits encontram-se 4 categorias de neve. Recentemente, em 2003, Larry Kaplan afirmou um pouco mais em “Inuit Snow Terms“. Mas para Pullum e Martin, temos que estar cientes de que o Dicionário da Língua da Gronelândia Ocidental Eskimo (Schultz-Lorentzen, 1927) apresenta apenas duas raízes possivelmente relevantes para a tipos de neve no vocabulário esquimó: qanik para neve no ar (floco de neve), e aput – para neve no chão. Todos os outros nomes são derivados. Isso é tudo.

Resumindo: a percepção em geral e, mais ainda a percepção de cores dos esquimós, é tal e qual a nossa. O vocabulário é um pouco diferente, mas muito longe de possuir dezenas e, muito menos, centenas de termos para descrever os diversos estados da neve.

The Great Eskimo Vocabulary Hoax

The Great Eskimo Vocabulary Hoax

Querer é Poder… do Egoísmo do Gene a Transcendência do ser Humano

Standard

O ser humano é composto por um amontoado de genes. Esses genes são os responsáveis pelo homem apreciar tanto o próprio bem-estar e sofrer tanto com a própria dor. Eles também são responsáveis pela ajuda mútua entre parentes e quanto mais próximo o parentesco, maiores as chances de ajudar esse parente e, por isso, uma mãe está sempre disposta a se sacrificar mais pelo filho que pelo sobrinho, mais pelo sobrinho que pelo filho da vizinha. E assim por diante. O que está por trás disso tudo é o gene egoísta. Ele não pensa, apenas faz o que precisa ser feito para aumentar suas chances de ser replicado. O gene egoísta é um replicador. E um replicador quase imortal por que dura milhões de anos. Quem é mortal e dura poucos anos é o homem. É por causa desse gene que os homens brigam tanto e pouco fazem para ajudar um estranho, mesmo que muito necessitado. Mas o gene egoísta não tem controle sobre tudo e, provavelmente, o homem é o único animal desse planeta que tem consciência de ser fruto do gene egoísta e a capacidade de transcender o egoísmo desse gene. Somente o homem pode mudar as regras desse jogo por um Ser verdadeiramente Humano.

Campanha da United Colors Benetton

Pare por alguns segundos e busque dentro da sua memória algum trato rompido ou favor negado por um amigo. Pare por mais alguns segundos e tente lembrar qual foi a desculpa que você ouviu. [Se não estiver lembrando, faça o exercício inverso e pense em um favor que negou ou um trato que rompeu com um amigo…] Na maior parte das vezes, a desculpa dada para negar um favor e, mais ainda, para romper um trato, está diretamente relacionada a alguma necessidade própria ou de algum membro da família e, quando isso acontece, grandes são as chances de você se sentir com raiva ou, no mínimo, tratado com negligência.

Em um favor negado ou um trato rompido, normalmente a pessoa beneficiada é um parente e o prejudicado é um não-parente. O que está por trás dessa atitude é o gene egoísta, aquele que determina uma escala de prioridades de acordo com a porcentagem de genes que se tem em comum com os parentes. Quanto mais genes em comum, maior a probabilidade de beneficiar esse parente em prejuízo de um menos parente e, maior ainda, em prejuízo de um não-parente. No cálculo que define o beneficiado, ganha aquele que tem maior porcentagem de genes em comum. A lógica: beneficiar aquele que tem mais genes em comum aumentam as chances de preservar seu próprio gene.

Charles R. Darwin (1809-1882)

Esse é um resumo simplificado de como funciona o gene egoísta, unidade central da teoria da evolução mais aceita pelos cientistas da atualidade, que tem sua raiz fincada na associação entre a seleção natural de Charles R. Darwin (1809-1882) e a genética de Gregor J. Mendel (1822-1882) e, foi sintetizada aproximadamente meio século após a morte de ambos. Desde então, vem sendo exaustivamente pesquisada em quase todos os ramos da ciência. O gene egoísta mostra que os animais não foram adaptados para preservar sua espécie, mas sim preservar os genes. Como Darwin já havia notado, a seleção natural favorece os genes que replicam melhor, os egoístas. Exemplos do gene egoísta em ação são encontrados tanto no reino vegetal quanto no animal e, com muito pouco esforço, você pode identificá-los na sociedade dos homens. De um simples trato rompido ao extremo de matar um enteado, são inúmeros os exemplos do gene egoísta falando mais alto no Homo sapiens sapiens.

Gregor J. Mendel (1822-1882)

O termo gene egoísta foi cunhado por Richard Dawkins e, apesar de algumas críticas, continua sendo muito utilizado na discussão sobre a evolução das espécies. Alguns autores preferem denominá-lo gene imortal ou elemento genético egoísta. De qualquer forma, vale notar que todos os autores são unânimes em afirmar que, apesar de denominar o gene como egoísta, ele não tem consciência e, portanto, apenas faz o que precisa ser feito para que seu gene seja replicado. Todos autores, incluindo o desse artigo, quando dizem que o gene é egoísta ou, por exemplo, o criador de algum mecanismo, não implica motivação ou conotação moral por parte do gene.

O gene egoísta é aquele que precisa replicar e quanto mais replicadores maiores as chances de êxito. Mas para entender o que é o gene egoísta, é preciso diferenciar o organismo do gene.  No caso do ser humano, é preciso distinguir a pessoa dos genes que a compõem. Veja: João e Maria tiveram um filho, o Joãozinho que, por sua vez, não é um clone do pai, mas sim um pacote de genes composto por metade de genes provenientes do pai e a outra metade de genes da mãe. Portanto, o que Joãozinho tem em comum com João e Maria são genes.

Nesse pacote de genes, Joãozinho tem uma em duas chances de ter genes em comum tanto com o pai quanto com a mãe. João e Maria não queriam que Joãozinho fosse filho único e, como não moram na China, puderam aumentar família e tiveram uma menina. Joãozinho agora tem uma irmã, a Mariazinha, e tem novamente uma em duas chances de ter genes em comum com a irmã porque são filhos do mesmo pai e da mesma mãe. Joãozinho e Mariazinha cresceram. Ele teve uma filha e ela teve um filho. Portanto, Joãozinho tem uma em quatro chances de ter genes em comum com seu sobrinho assim como Mariazinha também tem uma em quatro chances de ter genes em comum com sua sobrinha. Os sobrinhos, portanto, são primos e têm uma em oito chances de terem genes em comum entre si. Essa probabilidade na porcentagem de genes em comum cria uma escala de parentesco conforme a quantidade de genes em comum. Na genética desse parentesco não há nenhuma novidade, nenhum mistério e, difícil é encontrar alguém que não tenha esse conhecimento.

O que também não é novidade, mas muitos ainda não sabem, é que a escala de parentesco está diretamente relacionada à escala na predisposição em cooperar. Quanto mais genes em comum, maiores as chances de cooperação. Quanto menos genes em comum, menores as chances de cooperação. Mora nessa escala de motivação o maior investimento do gene egoísta e, poucos são os biólogos que não aceitam essa teoria: Os genes são egoístas por que precisam garantir a própria replicação. Os corpos não se replicam e, portanto, não deveriam ser egoístas. Dessa forma, os genes egoístas precisaram criar conexões neurais de prazer e sofrimento para regular as ações do animal e, assim, aumentar suas chances de replicação. É por isso que os animais apreciam tanto o próprio bem-estar e sofrem horrores com a própria dor. No quesito bem-estar, o homem nunca se cansa do auto-benefício: comprar, viajar ou qualquer outro consumo que não tenha fim. “Never is enough” é a melhor expressão para tal. Portanto, os genes egoístas precisaram criar circuitos nos quais o homem pode sentir bem-estar com o outro e, quanto mais genes em comum se tem com esse outro, maior o bem-estar e maiores as chances de cooperação entre eles e, então, as chances de replicação desse gene egoísta. Vale lembrar que o gene egoísta não tem consciência.

Seleção natural não é sinônimo de preservação da espécie e pensar dessa forma é um equívoco. Darwin já sabia disso, mas foi e ainda é freqüentemente mal interpretado. Se o objetivo-mor fosse a espécie, o parentesco seria irrelevante. E o que vemos no reino animal, inclusive na sociedade dos homens, é justamente o contrário. Na prática, é fácil verificar que toda mãe está sempre mais disposta a se sacrificar pelos filhos que pelos sobrinhos, assim como está mais disposta a ajudar seus sobrinhos que os sobrinhos do seu marido e, muito menos, os sobrinhos da vizinha. E assim por diante.

Cena do filme "A Marcha dos Pinguins"

A verdade não é agradável e os animais não se importam com o que acontece com a espécie ou o ecossistema. No filme A Marcha dos Pingüins, o pingüim cujo filho não vingou, sofre pela sua perda ao mesmo tempo que não se importa nem um pouco com o filhote ao lado que está sendo dragado por um leão marinho. Esse mesmo pingüim tem medo de mergulhar em busca de alimento por que não tem como saber se ali existe um leão marinho que esteja pronto para atacá-lo. O que ele faz? Ele espera que algum outro pingüim com muito mais fome se arrisque e mergulhe ou, até mesmo, tenta empurrar os pingüins vizinhos com o intuito de verificar se aquele local está ou não livre de leões marinhos e, portanto, seguro para buscar o seu alimento.

Os pingüins tanto quanto os homens, não estão preocupados com sua espécie ou com o ecossistema. Pense nos homens, quantas pessoas você conhece que deixaram de fazer uma viagem internacional em suas férias porque preferiram doar a mesma quantia para retirar uma família da miséria ou qualquer outro sacrifício para beneficiar um desconhecido? Quantos casais você conhece que preferiram ser pais adotivos a serem pais biológicos? Em contra partida, é muito comum encontrar pessoas que não gostem de seu enteados ou, pior, enteados que se viram obrigados a sair de casa por serem vítimas de maus tratos do padrasto ou da madrasta. Em geral, os animais comportam-se de maneira egoísta em função de como seus circuitos emocionais foram desenhados. Circuitos esses que foram projetados pelos genes egoístas.

Como dito anteriormente, é preciso separar o egoísmo do gene do egoísmo da pessoa, mas como os genes egoístas construíram circuitos nos quais as pessoas tem mais prazer quando agem de acordo com o desejo do gene egoísta, elas acabam sendo também egoístas. Volte no exercício apresentado no início desse artigo. A maior parte das pessoas, quando em situações onde precisam escolher se vão beneficiar um parente ou um não-parente, são governadas por seus circuitos neurais que, em geral, fazem com que elas beneficiem o parente por que o bem-estar que sentem cooperando com o parente é muito maior comparado ao bem-estar que sentem cooperando com o não-parente. Para seu amigo, beneficiar a você em detrimento do parente teria um custo muito mais alto que beneficiar o parente em seu detrimento. E a escolha, muitas vezes automática e inconsciente, é baseada na relação custo-benefício. Agora, imagine uma mudança nos personagens desse cenário e o dilema do seu amigo não está entre beneficiar ao parente ou a você, mas sim entre beneficiar o parente ou o chefe. Se seu amigo beneficiar parente, ele corre o risco de ser retaliado pelo chefe. Se seu amigo beneficiar o chefe, ele corre o risco de ser retaliado pela família. Ele provavelmente optará por beneficiar o chefe e as chances de não ser retaliado pela família são enormes. Nesse dilema, quase todos os seres humanos beneficiariam o chefe. Por que? Se optar pelo parente, coloca em risco seu próprio bem-estar. E ele tem mais genes em comum consigo mesmo do que tem em comum com o parente.

Ninguém fica tão triste com a dor do vizinho como fica com a própria dor. Ninguém fica tão feliz com a felicidade do vizinho como fica com a própria felicidade. Mas se esse vizinho for um parente, quanto mais genes em comum, maiores as chances de existir empatia e, portanto, maiores as chances de sentir a tristeza ou a felicidade desse parente com mais intensidade. E essa é a essência do amor, sentir prazer com o prazer do outro e sentir dor com a dor do outro. Hoje, conhecendo o gene egoísta, é possível entender que a cooperação entre parentes ou entre pessoas com descendentes em comum equivale a genes ajudando a si mesmos, denominado seleção por parentesco. Então, se o amor que existe entre aqueles que tem genes em comum ou descendentes em comum é mero reflexo da seleção por parentesco, surge a pergunta: o amor nada mais é que um circuito neural criado para trabalhar em favor do seu criador, o gene egoísta? Ao que tudo indica: Sim!

Campanha da United Colors of Benetton

Mas a cooperação entre pessoas com genes em comum, que corresponde ao gene ajudando a si mesmo, não é o único tipo de cooperação no reino animal e, principalmente, na sociedade dos homens. Cooperação entre pessoas sem parentesco também existe e a amizade é um exemplo. Quanto mais você coopera com seu amigo, maiores são suas chances de que ele coopere com você. E assim fica estabelecida a cooperação recíproca. Sob o ponto-de-vista do gene egoísta, pode ser bom que você tenha a capacidade de cooperar com um não-parente. Na prática, se o quanto você coopera com o seu amigo equivale ao quanto seu amigo coopera com você, vocês estão quites. Mas na matemática da amizade, ninguém quer ser abusado e, para isso, você precisa tomar cuidado com os trapaceiros. O trapaceiro é aquele que quer vender sua cooperação por mais do que realmente vale. Dessa forma, ele será mais beneficiado do que aquele com quem ele coopera. Um trapaceiro muito esperto é aquele que consegue vender, sucessivamente, suas cooperações por um pouco mais do que elas realmente valem. De acordo com muitos evolucionistas, a cooperação entre não-parentes parece ter importante papel na evolução humana e, Robert Trivers, em particular, sugere que os seres humanos são máquinas que foram adaptadas para trapacear, detectar trapaceiros e evitar que sejam vistos como trapaceiros. Na prática, é fácil verificar, basta observar o comportamento de qualquer criança… Não é a toa que a sociedade dos homens tem sua economia baseada no dinheiro e, também, seja recheada de leis, regulamentos, registros, certidões, contratos, fiscais, multas, etc. Tudo para evitar que os trapaceiros tenham êxito.

Ninguém quer ser trapaceado e são impressionantes as táticas que foram desenvolvidas ao longo da evolução para se proteger de um trapaceiro. Em boa parte do reino animal, as fêmeas, ao contrário dos machos, têm muito mais certeza de terem seus genes em sua prole.  Dessa forma, machos de diversas espécies desenvolveram habilidades para garantir que não invistam em filhos de outros machos e, assim, não serem trapaceados. Um camundongo macho secreta uma substância química quando é cheirado por uma fêmea grávida para verificar se ele é mesmo o pai do bebê que ela carrega. Se ela não estiver grávida desse macho, o cheiro da substância secretada provoca aborto. Dessa forma, esse macho destrói seu potencial enteado e essa fêmea fica rendida para procriar apenas para ele. Pense na raça humana: a lista de atrocidades realizada pelo homem para controlar a fidelidade de “suas” mulheres é enorme. Por outro lado, sob o ponto-de-vista da fêmea, a maior parte delas não quer saber de machos interessados apenas na cópula e que não queiram colaborar na criação da prole. Portanto, em diversas espécies, a fêmea exige um longo namoro afim de verificar o quanto aquele macho está realmente interessado em investir na futura família. Recentemente, na sociedade moderna, foi desenvolvida mais uma técnica para detectar trapaceiros, seja homem ou mulher: o teste de paternidade.

Kate & Williams (esq.); Charles & Lady Di (dir.)

Na década de oitenta, o mundo acompanhou um conto de fadas que acabou em tragédia. O conto era uma farsa e muitos eram os trapaceiros envolvidos nela. As opiniões se dividiram e quase todos ficaram ao lado de Lady Di. De acordo com o protocolo real, Príncipe Charles, que precisava de um herdeiro para o trono inglês, não poderia se casar com Camilla e, portanto, pediu a mão de sua namorada, Diana, em casamento. Lady Di, então, descobriu que não vivia um conto de fadas e que sua contribuição para o casamento estava apenas na “nobreza” de seus genes e não fez nenhum esforço para esconder do mundo que fora trapaceada. O ser humano não gosta de trapaceiros. Lady Di foi e continua sendo admirada por milhões e milhões de pessoas em todo mundo. Recentemente, o primeiro filho do casal, Williams, repetiu o casamento de conto de fadas e a escolhida foi Kate. A família real parece ter aprendido alguma coisa e não incentivou, novamente, a realização de um casamento baseado apenas nos genes. William e Kate foram motivados a namorarem por muitos anos e evitarem, dessa forma, outro escândalo que decepcionasse, mais um vez, aos fãs da família real britânica.

Na sociedade contemporânea, principalmente urbana e virtual, encontra-se um novo tipo de trapaça. Pense naquele seu amigo que é amigo de todos. Aquele que agrada o maior número de pessoas possível e que raramente entra em conflito e, claro, dificilmente toma partido. O faz apenas quando não tem outra solução e a escolha com quem cooperar é baseada naquele que ele vê a maior probabilidade em precisar cobrar o retorno de sua cooperação no futuro. Seja consciente ou inconsciente, o objetivo dele é sempre o mesmo: auto-benefício. Esse homem calcula o custo-benefício de qualquer escolha em cooperar pensando no futuro e, sempre, visando suas chances de se beneficiar da cooperação do escolhido em curto, médio ou longo prazo. Seu lema: investir em sua rede social. Você acabou de ser apresentado a um dos mais novos produtos do gene egoísta, o trapaceiro contemporâneo. Ele é um camaleão social, veste a personalidade necessária para se adequar ao ambiente, mas você nunca saberá realmente quem ele é e muito menos o que pensa.

Moral da história: os genes não têm moral, quem têm moral são os animais e, principalmente, os homens. Os genes não têm consciência, quem tem consciência são as pessoas. Os genes são potencialmente imortais, os homens são certamente temporários. Os genes vivem por milhões e milhões e milhões de anos, as pessoas por apenas alguns poucos anos. Os genes se replicam, os homens morrem. O gene não aprende, ele apenas se replica. O homem aprende, mas leva para a cova o seu conhecimento, ou melhor, levava! Na sociedade oral, os homens viviam um eterno telefone sem fio e o conhecimento podia se perder facilmente. Mas o ser humano, diferente dos outros animais, inventou a escrita e, desde então, se vingou da morte. Com a escrita, possibilitou o registro do conhecimento adquirido. Portanto, com a morte vingada, o conhecimento construído por Darwin e Mendel estão eternizados e possibilitaram o desenvolvimento da teoria da evolução aqui apresentada. Darwin teve descendentes e alguns também contribuíram para a desenvolvimento dessa teoria. Mendel, por sua vez, não teve filhos. E quem se importa? Ninguém. Seus genes foram embora, mas seu conhecimento permaneceu presente. Quando seus estudos foram redescobertos, muitos anos após a sua morte, eles possibilitaram o desenvolvimento de centenas de outros estudos que levaram ao entendimento, tratamento e, muitas vezes, a cura de diversas doenças genéticas.

Foto de Mike Wells em Karamoja, Uganda, 1980

O ser humano é o único animal na Terra que pode transgredir o totalitarismo de seus genes. O gene criou o homem e somente o homem pode se virar contra o seu criador. O homem, ao se rebelar, pode transcender sua natureza egoísta e utilizar seu livre-arbítrio para re-projetar o futuro da raça humana e do planeta Terra. Querer é poder.

Read the rest of this entry