Category Archives: Museum of Science and Industry

Museum of Science and Industry, Chicago: Crítica

Standard
Chicago Museum of Science presents a Wrong Color Definition

Chicago Museum of Science and Industry – Erro ao definir a Cor de um objeto

De acordo com o Museu de Ciência e Indústria de Chicago, “a cor de um objeto é determinada pela absorção específica e reflexão dos comprimentos de onda”, mas isso não é verdade. Esta definição errônea é apresentada no “Color Booth” que faz parte da Exposição “Science Storms”.  Aqui estão algumas explicações sobre o porquê da cor não ser exclusivamente determinada pelos comprimentos de onda específicos que um objeto absorve e reflete:

“Muitas pessoas acreditam que a cor é uma propriedade essencial dos objetos e que depende inteiramente dos comprimentos de onda específicos da luz refletida. Mas essa crença é equivocada. A cor é uma sensação criada no cérebro. Se as cores que percebemos dependessem apenas do comprimento de onda refletido, a cor de um objeto mudaria drasticamente de acordo com variações de iluminação e sombra que ocorressem constantemente durante todo o tempo. Muito pelo contrário, a cor de um objeto nos parece relativamente estável devido a nossa atividade neural – apesar das mudanças constantes no ambiente ” por John Werner, Ph.D.: UC Davis, Center for Neuroscience.

“A cor de uma luz isolada está intimamente relacionada com as propriedades físicas da luz, mas este fato é bastante enganoso para a compreender a cor em condições normais. A cor não está na luz. O que vemos depende diretamente de um padrão de respostas neurais e, o comprimento de onda ou da energia de luz que entra no olho é apenas um fator dentre muitos outros. A relação direta entre um estímulo físico e como nós o percebemos se quebra quando a luz é parte de uma cena complexa. Na visão em condições normais, a resposta neural a uma luz particular e, portanto, a nossa percepção dela, é influenciada pelo contexto das outras luzes presentes na mesma cena” por Steve Shevell, Ph.D.: University of Chicago, Institute of Mind and Biology.

“A cor é muitas vezes pensada como uma qualidade da luz, mas isso não é verdade. Por exemplo, a expressão “o oceano é azul” utiliza uma experiência de percepção da cor azul para descrever a luz física. A cor em si não está na luz. A cor é um fenômeno perceptivo determinado por processos neuronais. A região do espectro electromagnético que é visível para os seres humanos gira em torno de 400 nm a 700 nm, comprimento de onda, mas este não está dotado com uma cor. Um determinado comprimento de onda, por exemplo próximo de 470 nm ou 580 nm, são percebidos como azul ou amarelo, respectivamente, porque estes comprimentos de onda estimulam os fotorreceptores no olho humano que são responsáveis ​​pela transdução da luz física em respostas neurais, ou seja, impulsos elétricos. Essas respostas neurais passam por uma série de etapas de processamento no cérebro. A experiência do azul ou do amarelo, bem como todas as outras cores, é uma construção mental. A experiência de uma cor é como a compreensão da linguagem. Não há sentido no som físico de uma frase em japonês (o cérebro deve interpretá-lo) se a pessoa não aprendeu a língua assim como não há nenhum azul ou amarelo nos comprimentos de onda. A cor é uma percepção que os seres humanos são capazes de experimentar por meio de processos neurais sensoriais ” por Claudia Feitosa-Santana, Ph.D.: Roosevelt University, Departamento de Psicologia.

Esse conhecimento é muito antigo:

Isaac Newton (1642, 1727) brilhantemente escreveu em seu livro “Opticks“, publicado pela primeira vez em 1704: “E se em algum momento eu falo de luz e raios como coloridos ou dotados de cores, gostaria de ser entendido como não falando filosoficamente e corretamente, mas grosseiramente – tais concepções seriam apenas atribuídas por pessoas leigas ao observar esses experimentos. Para falar corretamente, os raios não são coloridos. Neles não há nada além de um certo poder e disposição para gerar a sensação desta ou daquela cor. ”

Mais de 200 anos depois, W. D. Wright foi inspirado pelas palavras de Newton e publicou um livro chamado “Os raios não são coloridos”, em 1967, afirmando que “a nossa percepção de cores está dentro de nós e as cores não podem existir a menos que haja um observador para percebê-las. A cor não existe nem mesmo na cadeia de eventos entre os receptores da retina e o córtex visual, mas apenas quando a informação é finalmente interpretada na consciência do observador. “- Por W. D. Wright, do Imperial College of Science and Technology, London

First published by Adam Hilger LTD, London - 1967

Primeira edição da Adam Hilger LTD, Londres – 1967

Portanto, se você for ao “Museum of Science and Industry” ansioso para que seus filhos aprendam ciência, é melhor reduzir bastante suas expectativas. Pode ser divertido, mas não educativo. Na maioria das vezes, você não vai encontrar um empregado ou um voluntário para responder a uma pergunta científica e, se você encontrá-los, isso não significa que eles vão lhe dar a resposta correta.

Seus uniformes nos enganam. Eles têm dois tipos: os funcionários que 99% não são cientistas mas usam um uniforme que diz “Scientist”; os voluntários usam um uniforme que diz “Volunteer” e, a maior parte deles são aposentados de diversas áreas não relacionadas à ciência, mas a chance de encontrar um estudante de ciências entre eles, mesmo que pequena, ainda é maior que entre os funcionários.

Mais alarmante e muito mais assustador é o fato de que eles oferecem uma “Oficina de Professores” e um “Centro para o Avanço das Ciências na Educação”. De acordo com suas próprias palavras, a “Oficina de Professores é projetada para aumentar o seu conhecimento em ciência, melhorar o ensino, a habilidade de ensinar e, demonstrar como usar os programas e exposições do museu para melhorar o currículo de ciências.” Esse centro oferece uma enorme lista de atividades como excursões, currículo de ciências para crianças, laboratório de aprendizagem, etc. Seria fantástico se o museu estivesse levando ciências a sério, mas não é definitivamente o caso.

OBS: Antes de escrever esse comentário, eu entrei em contato com o museu solicitando que o painel deveria ser corrigido. A resposta foi não e a explicação foi, mais uma vez, uma prova de que o “Museum of Science and Industry”, também chamado MSI Chicago, não tem um número mínimo suficiente de cientistas e/ou nenhum respeito pela ciência. Lamentável.

Color is in the Brain

Museum of Science and Industry, Chicago: Review

Standard
Chicago Museum of Science presents a Wrong Color Definition

Chicago Museum of Science Color Mistake

According to the Museum of Science and Industry (Chicago, IL) “the color of an object is determined by the specific wavelengths of lights that it absorbs and reflects” but THIS IS NOT TRUE. This wrong definition is presented in the Color Booth and situated in the Science Storm Exhibition. Here are some explanations about why color is NOT determined by the specific wavelengths of lights that it absorbs and reflects:

“Many people believe that color is a defining and essential property of objects, one depending entirely on the specific wavelengths of light reflected from them. But this belief is mistaken. Color is a sensation created in the brain. If the colors we perceived depended only on the wavelength of reflected light, an object’s color would appear to change dramatically with variations in illumination through- out the day and in shadows. Instead patterns of activity in the brain render an object’s color relatively stable despite changes in its environment.” – by John Werner, Ph.D.: UC Davis, Center for Neuroscience.

“While color of an isolated light is closely related to the light’s physical properties — its energy and wavelengths — this is a misleading fact for understanding normal viewing. Color is not in light. What we see depends directly on a pattern of neural responses, not on the wavelength or energy of light that enters the eye. The simple relation between a physical stimulus and how we perceive it breaks down when the light is part of a complex scene. In natural viewing, the whole visual stimulus is a patchwork of different lights from many objects. The neural response to a particular light, and therefore our perception of it, is affected by the context of the other lights also in view.” – by Steve Shevell, Ph.D.: University of Chicago, Institute for Mind and Biology.

“Color is often thought to be a quality of light but this is not so. For example, the expression the ocean is blue uses a perceptual experience of blueness to describe the physical light. Color itself is not in the light. Color is a perceptual phenomenon determined by neural processes in the brain. The region of the electromagnetic spectrum that is visible to humans is from about 400 nm to 700 nm, but no wavelength is endowed with a color. Instead, a particular wavelength, say a wavelength near 470 nm or 580 nm, is perceived as blue or yellow, respectively, only because these wavelengths stimulate the photoreceptors in the human eye that are responsible for the transduction of physical light into neural responses. Those neural responses go through a series of processing stages in the brain. The experience of blue or yellow, as well as all other colors, is a mental construction. The experience of a color is like the understanding of language. There is no meaning in the physical sound (the brain must interpret it) just as there is no blue or yellow in the wavelengths of light. Color is a percept that humans are able to experience through sensory neural processes.” – by Claudia Feitosa-Santana, Ph.D.: Roosevelt University, Psychology Department.

This is very old news:

Isaac Newton (1642, 1727) brilliantly wrote about in his book “Opticks“, first published in 1704: “And if at any time I speak of light and rays as coloured or endowed with colours, I would be understood to speak not philosophically and properly, but grossly, and accordingly to such conceptions as vulgar people in seeing all these experiments would be apt to frame. For the rays to speak properly are not coloured. In them there is nothing else then a certain power and disposition to stir up a sensation of this or that colour.”

Later, W. D. Wright was inspired by Newton’s words and published a book named “The Rays are not Coloured” in 1967, stating that “our perception of colour are within us and colours cannot exist unless there is an observer to perceive them. Colour does not exist even in the chain of events between the retinal receptors and the visual cortex, but only when information is finally interpreted in the consciousness of the observer.” – by W. D. Wright, Imperial College of Science and Technology, London

First published by Adam Hilger LTD, London - 1967

First published by Adam Hilger LTD, London – 1967

Therefore, if you go to this museum eager for your kids to learn science, it is better to readjust your expectations. It can be fun but not educational. Most of time you will not find an employee or a volunteer to answer your question, and if you find them it does not mean that they will give you the right answer.

Their uniforms are very misleading. They have two types: employees that are not scientists 99% of the time wear an uniform that says “Scientist”, and volunteers wear an uniform that says “Volunteer” that, although are often retiree from many different areas not related to science, you will have better chances to find a science student among them.

More alarming and very scary is the fact that they offer a “Teacher Workshop” and “Center for the Advancement of Science Education”. According to their own words, the “Teacher Workshop is designed to increase your knowledge of science, improve teaching skills and demonstrate how to use Museum programs and exhibits to enhance science curriculum.” The “Center for the Advancement of Science Education” offers an enormous list of activities like Field Trips, Science Minors, Learning Lab, etc. It would be fantastic if the museum was taking science seriously and updated but this is definitely not the case.

OBS: Before writing this review, I have contacted the museum requesting that the panel with the color definition should be fixed. The answer was NO and the explanation was once more a proof that the MSI Chicago does not have scientists enough and/or no respect for Science.

Color is in the Brain